sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Pelo medo do invisível

teu amor parece ausência.
ocultas tua voz em breves
silêncios que são preenchidos
pela vastidão de tua mente:

perdendo-se em pensamentos,
encontrando-se na arte,
esquecendo, aos poucos, tormentos,
amando o amor que sente.

teu amor parece ausência,
parece que, gota a gota, desfalece.
"está vivo, todavia, está sorrindo", é o que dizem...
mas, também aos poucos, adoece:

sei que não terei teu coração.
serei apenas mais um em tua vida.
um alguém especial, mas substituível.

sei que não compartilharei tua emoção.
não encontrarei teus lábios, solitários;
não amarei outrem por medo do invisível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário