segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Apesar de você

Apesar de não poder amar,
deixe que adorem.
Deixe que seus olhos ignorem
a arte de estar

sozinho numa vida conjunta.
Apesar de minha solidão,
não sei se estou só ou não...
não sei amar a face disjunta.

e o poder do Amor não sei vestir,
Mas suas algemas ainda me consomem.
Que será de mim? Que será do homem
se não vemos motivo para viver ou sorrir?

Nenhum comentário:

Postar um comentário