domingo, 26 de janeiro de 2014

L. B.

o vazio entre dois quadros...
as garotas de 3/4...
a lástima de viver...
o amor que desabrocha
e renasce ao perceber.

as lacunas em janelas fechadas...
mãos gentis e bocas cerradas...
jovens que desatinam sem se ter...
o amor que tanto ama
e ama sem se ver.

um ou dois anos a mais ou menos,
cabelos e lábios coloridos,
olhos grandes e o sentimento do mundo
em pequenas e poucas palavras.

a garota caminha
e caminha sozinha
por estar tão acompanhada
a ponto de não enxergar sua amplidão

a garota caminha
e caminha sem se conhecer,
pois se conhece tanto
que ama
e ama sem se ver
pelas vielas de seu coração.





Haiku #2

A dor que sustentas 
ensanguenta o coração
que lacrimeja melancolia.

domingo, 12 de janeiro de 2014

Palíndromo

R E V I V E R  
E                 E    
V                 V                         
E                 E
R E V I V E R  
                        E                          
                                 V   
                                      I  V 
                                             E 
                                                R

Por fazer

parede descascada
chinelos jogados
chave na porta

tv ligada
paraísos desolados
mente e mãos tortas

solidão de futuros nostálgicos
sinto falta do presente
janela fechada
necrose, falta de tino latente.

solidão de passados futurados
sinto falta de sonhar
mas conhecimento barra coração
sinto que não sinto ao amar.




Breve

Antes de ver o bastante,
vi o que bastava
para ser além de ser,
e não ser, ao mesmo tempo,
para mim mesmo.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Ébrio

ondas arrastadas em refluxo
carregam consigo rotos navios
encarregados de levar em si
a perdição do mundo.

e por aí fora, da popa à proa,
escondem-se as orgias de reis
em cabarés entreabertos e irrisíveis
por estarem ocultos em sombras de ilusão.

estendem suas pernas em pequenas mesas circulares
e fumam seus cigarros, e bebem seus licores
incolores como seus sangues desbotados,

e chamam suas mulheres por nomes baixos
e debaixo das cadeiras atiram notas de divindade
àquelas que os adoram - e em seus seios enormes
um beijo ou dois para lhes agradar são depositados.

ondas arrastadas em refluxo
carregam consigo rotos navios
e rotas pessoas encarregadas
de fazer o mal ao mundo.

descompromissados estendem suas mãos e cerram as portas
para que o barco ébrio seja envolto por mais e mais alucinações.
não me atrevo a frequentá-lo, apesar de tê-lo muito acessível
quando está em mar aberto, daqui distante, ou aqui perto, ancorado e egoísta

enquanto um ou outro cruza seus mistérios em nuvens de ansiedade e quentura,
submetendo-se a tudo que lhe for apresentado - sem qualquer restrição,
sem tino, sem fidelidade e sem a lembrança dos que ficaram nos portos
chorando e gritando enquanto viam sua agoniante partida.

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

What if?

W          H
              
              A 
                
              T
 
                            I    F

                                               L
                                                    O                                               
                                                         V
                                                              E

                                 

                                                                                         S
                                                                                    P
                                                                               E
                                                                          N
                                                                      D
                                                                 S                                                        

             I   T   S 


                                            N     I     G     H     T     S



                         T
                                 H      I      N
                                                 K      I       N     
                                                                          G               A B O U T


                          U     S     ?

sábado, 4 de janeiro de 2014

Poemas em bolsos rasgados

Com as mãos em bolsos rasgados
tateio minha perna enquanto caminho,
e enquanto corro lânguidas rimas, sozinho,
escrevo poemas para alguns, negados.

E enquanto teu jovem coração
outro tanto acaricia e ensanguenta,
meus olhos teu doce olhar sutil alenta
e termina como um simples verso de solidão.

Em teu seio, lacrimejo, próximo e distante,
enquanto carrego comigo a dor
que considero complacente e dissonante.

Em tua alma deposito meu ardor
em singelas e amiúdes palavras confortantes,
que serão atribuídas e despejadas por outro amor.



Choram e riem, choram e cantam

Choram, e riem, choram e cantam...
mas nada é como antigamente.

Poemas, espasmos de espantos esparsos.
Palavras pequenas, grandes e medianas
gritam pelas mãos de poetas escassos,
que transpõem mentes em linhas levianas.

Palavras agudas, graves e dissonantes
lacrimejam risadas, que escorrem e plantam
sementes de amor e ódio por entre amantes
que há muito deixaram de amar o que tanto amam.

E não há uma que escape de tamanha mente
poética e digressa, letras de um singelo poema.

E não há uma um pouco mais eloquente
que enxergue o mundo como um vasto e desnudo problema.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Protótipo

Paredes remendadas em azulejos,
a porta que range ao ser aberta,
o ventilador em meu bolso, desligado,
os talheres sobre a mesa suja,
a fruteira vazia e coberta de aranhas,
lágrimas escorrendo pelas valas e velas acesas,
bebo um pouco, fumo um cigarro,
as pessoas passam por mim e não me vêem.

Se sou já não sei o que é ser.

Ouço uma voz de ninguém me chamar,
tenho medo, as luzes se apagam,
mãos trêmulas escrevem um poema
em um guardanapo rasgado.

Pedaços de mim desvanecendo.

De Chopin a Sinatra,
de Tchaikovsky a Fitzgerald...
minha mente divaga e sonha em extrair algo além de mim
para um papel repleto de vazio.
A música ecoa em minhas orelhas caladas.
Já é meia-noite.
As gavetas sem nada,
o sentimento de culpa...

ainda não estou pronto.

Viver é muito difícil.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Império

O quarto escuro traz lembranças da garota que julguei ser minha eterna amante.
Mas ela se foi e sucumbiu a meu eu,
enquanto me ergui de tempos difíceis.