terça-feira, 29 de abril de 2014

Lembranças

Lembranças ignotas purificam a torpeza da terra,
e eu aqui, vasto e amiúde, perdido no silêncio de meus versos
inversos, e também imersos em solidão e quietude,
derramo-me em prantos por minha saudade e a saudade toda.

Memórias vêm e vão em minha mente dispersa,
e eu aqui, vasto e amiúde, encerro o martírio que se condensa
em um amor que se foi, perdido também, em versos remotos
- como as lembranças difíceis de outrora.

E esse amor me pedia, em beijos e lágrimas,
que fosse embora, que fosse sozinho
e que fosse antes da aurora.

E esse amor, que sofria, pela escuridão noturna,
chorava por saber que jamais teria novamente
este amor poético, distante e sem volta.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Paisagem

a mesma paisagem me assombra todos os dias.
seria pela monotonia ou pela ausência de novos fatos,
pela angústia ou pela presença de minha mente 
em todos os cantos, ângulos e lados?


-

Falas de tudo enquanto ouço e calo
as vozes que ecoam em mim,
até que, enfim,
paro, penso e falo:

"não suporto as palavras que me deste:
sem conteúdo ou profundidade;
sem mentiras, e apenas verdades;
não suporto o que me disseste!"

prefiro o silêncio.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Lithium

D
e
p
r
e
s
s
ã
o                              é




                                                                          o 
                                                                          
                                                                          m
                                                                          o
                                                                          t
                                                                          i
                                                                          v                                                                          
                                                                          o
                                                                          
                                                                          
                                                                          


p e l o   q u a l   l u to
                
               
                t
                o
                o
                s

                                                                          

                                                                            o                         s

                                                                            d                         p
                                                                            i       absorvido    e
                                                                            a                         l
                                                                            s                         a                                                      




                                    m
                                    
                                    i
                                    s
                                    é
                                    r
                                    i
                                    a




                                                                                  d                               e
                                                                                  v                                i
                                                                                  v                                e
                                                                                  r                               
                                                                                  
                                                                                  e tudo é superestimado
                                                                                  
                                                                                  
                                                                                                                                                                    
 
t                                    e
u    v                         r   p
d        a                e       l 
o             z      o            e
                    i                t
é                                   o



                                                                                      tudo é um vazio abstrato que acaba em morte.

Pff

meu coração claudicante ama um amor disforme - 
do tipo que deseja amar poética e completamente...
e antes que algo abrasador e tenaz o transforme,
pretendo amar na quietude, em silêncio, e eternamente.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

I

Crepitas em mim como madeira ao fogo,
como faísca de sal nas águas cintilantes
e, radiantes, escaldam-se refletindo
o céu azul duma manhã de sábado qualquer.

És a desordem do pensamento esverdeado,
és o amor entre o pelo e a folhagem
das árvores que sorriem para ti em um cumprimento
abrasador, sem qualquer sofrimento.

Se escrevo a ti é por amar-te como brusco
e ondulante marulhar das ondas que submergem
de meu pensamento infinito e expansivo.

Se escrevo a ti é por amar-te sem fronteiras,
como um oceano vasto e amiúde,
gota a gota, até, da quietude, alcançar tua amplidão.

Um nada qualquer

perdido em sonhos de cunho doente
e em palavras adormecidas de intensidade eloquente,
caminho solitário por caminhos descaminhados
e choro rios de lágrimas secos e inundados.

cortes nos braços, versos escassos
palavras adormecidas em minha mente, em pensamentos esparsos.
viver não é a solução; sofrer melhor é a chave para a poesia
da vida... embora sempre haja certa e determinada melancolia.

e os rios... ah, os rios... são delírios aparte do eu
que parte para parte nenhuma;
que parte para a parte mais aguda de qualquer poema meu.

e os poemas... ah, os poemas... são espantos que surgem
de nenhuma parte alguma;
que determinam os tormentos do poeta que tanto urgem.

terça-feira, 8 de abril de 2014

Arte

mês de janeiro e a solidão crepita nas sombras
de uma vida melhor, e mais amena, e mais tenra,
e mais repleta, e vazia dos sofrimentos que aprendemos
a sofrer melhor durante a superestimada trajetória.

mês de abril e estamos sós, mas acompanhados;
estamos tristes, mas sorrimos; estamos cheios,
mas, de alguma forma, falta algo a se completar
em nossa despida razão de ser e estar.

sonhos derradeiros, que vêm ao primeiro som
de uma conversa anuviada e dispersa,
ecoam em mentes solitárias e cabisbaixas,

mas são as que pensam, as que imaginam
e as que criam o mundo paralelo - aquele mesmo,
artístico, da fuga, da compenetração no amor de ser.

Cerúleo

Ao som do sol
e a luz do mar cerúleo
ao som do céu
e a luz do sol noturno
a imensidão das palavras
os versos escassos
os mundos esparsos
os sonhos diurnos

Ao som do sol
e a luz do mar cerúleo
ao som do céu
e a luz do sol noturno
palavras esvoaçantes
cabelos cintilantes
poetas perdidos
em sonhos refratantes

Ao som do sol
e a luz do mar cerúleo
ao som do céu
e a luz do sol noturno
versos imersos em alegorias
profundezas poéticas e suas poesias
o homem consome-se
a mais pura melancolia

Ao som do sol
e a luz do mar cerúleo
ao som do céu
e a luz do sol noturno
não vêem miséria em seus olhos
não são poetas não são pessoas
são apenas o que a música destoa
e a imagem que forjam seus olhos

Ao som do sol
e a luz do mar cerúleo
ao som do céu
e a luz do sol noturno
a morte é a catarse da vida
já não há amor que a satisfaça
já não há esperança que a desfaça
e a depressão retorna mais uma vez querida.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

Incesto

Casou-se com seu primo para causar a discórdia da família,
que já havia se desestruturado e caído em ruínas quando seu filho,
que era borderline, suicidou em frente a todos os parentes,
durante a última ceia de Natal.

Frutos do incesto, viviam uma vida convencional,
como a que todos procuram viver... 
achando que assim se tornariam diferentes,
achando que aquilo era o mais sensato a se fazer.

Não podiam ter história, e suas memórias eram forjadas
de acordo com o que pensavam seus vizinhos e (des)conhecidos.
Não podiam mostrar afeto, pois os outros repudiavam
seus laços de amor e amizade entrelaçados.

Tempos difíceis, em que impera a moral cristã,
em meio a um ocidente caótico e desmoralizado;
tempos libertosos, nos quais cada um torna-se dono de si
sob a censura e olhos repudiados.

Seus outros primos também se casaram entre si,
formando, assim, uma família nada típica, mas muito feliz.
Viveram orgias todos juntos e riram dos que não aceitavam
a conduta que levavam.

Eram quatro ou cinco... talvez seis morando numa mesma casa,
dividindo seus pares e repudiando o repúdio dos alheios a sua situação.

Certa vez perguntaram se eles não tinham Deus no coração
e o primo mais velho respondeu que Deus era um xereta
que ficava espiando, pelas persianas, seus atos sexuais.

E, de fato, Deus adorava se masturbar vendo aquelas cenas impressionantes e únicas.

Tempos difíceis, em que impera a moral cristã,
em meio a um ocidente caótico e desmoralizado.
O que é moral? Quem a constrói?
Olhos maioritários, talvez.

Tempos difíceis, em que impera a moral cristã.
Quem era o errado? Existia algum, de fato?
Creio que Deus, apenas. Afinal, cada um é dono de seu próprio corpo...

... ou deveria ser.

Longos dias

Longos dias surgirão como se fosses luz
do topázio azul que despedaça-se ao olhar-se
refletido em si mesmo: com enorme amor
e ego cristalizados em um mineral qualquer,
que é só aparência e o valor que lhe é atribuído.

Longos dias passarão como se fosses flux
em minha memória, e vasto, e ereto, e reto
à sombra e penumbra de meus olhos calados,
que somente jazem a miséria de viver;
que somente calam a existência de meu ser.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Decadência

Caíram sobre minhas costas imundas e gastas
a decadência e depressão: almas incastas
para minha lívida digressão - agora amiúde
de tanto amar e amar mais do que pude.

Amei anônimo, incógnito e lacônico
enquanto seus olhos de penumbra diziam meu mundo
refletido em bocas e peitos, em versos e estrofes profundos
- entrelinhas de meu sincero amor platônico.

Mas caíram sobre minhas costas a decadência e depressão
e agora nada me resta senão chorar as mágoas de viver
enquanto regenero meus pesadelos de solidão.

Amei sozinho, porém acompanhado a arte de sofrer
embora não sofresse tanto, e apenas escrevesse a miséria

terça-feira, 1 de abril de 2014

Samobójców

Hoje, que a mágoa me angustiou e me apunhalou,
minha alma se recolhe tristemente.
e, se sou um poeta morto e descontente,
já não posso escrever o que nada me restou.

Das noites, o que me sobra é a saudade
de tenras memórias de um sonho de renovação:
morto por palavras não ditas pela própria criação
de meus versos imersos em morbidez e soledade.

E assim, regido pela dor, e pelo tormento,
pelo amor, ego e sofrimento,
caminho em rupturas de meu subjetivo

mundo, que agora desfalece 
e, por estar morrendo, se entristece,
atingindo enfim seu doloroso objetivo.