sábado, 18 de abril de 2015

Querida, de tortuosos pensamentos tenho vivido!

Querida, de tortuosos pensamentos tenho vivido!
São peças de uma importante desconstrução
do eu que sofre e que se coloca ao chão
ao eu que se apaixona e se vê corrompido!

Agora que descansas de uma vida triste e dolorosa,
venho por meio deste findo poema trazer-te infindos sentimentos.
Teu coração pulsa em mim, querida! Pulsam-te os tormentos
sobre uma nova vida, impulsionada pela morte amorosa.

Tenho pouco tempo para descrever os tempos idos,
mas já não amo, de coração ósseo e desnudo,
o que permanece em mim, o que continua sendo tudo:
teu tenro olhar, teus breves lábios - de todo, ressentidos.

Em meio à desventura que é a separação de semblantes,
os pensamentos sobre os quais ainda me lamento
retornam e me castigam o coração lamacento
outrora atordoado com tuas mentiras, teus amantes.


Nenhum comentário:

Postar um comentário