sábado, 23 de maio de 2015

Um (ex) amor infinito

Por um momento pude matar o maldito
sentimento de instabilidade e os choros
que me consomem desde o último namoro:
um misto de incertezas, um (ex) amor infinito!

Ela se foi e levou consigo toda a minha saudade.
Foi-se e levou consigo toda mágoa e agonia,
toda a merda, toda vida, toda alegria...
e, diante dos impulsos, disse que eu era filho da crueldade.

Tristeza. Éramos da penumbra envolta em nossos corações.
Mas ela não sabia lidar com a realidade e com suas emoções,
Não sabia perdurar um sentimento.

Tristeza. Estive breve e morto, prolixo e desinteressado.
Estive boêmio e deveras cego, cálido e magoado...
Já não distingo o amor do sofrimento!

Nenhum comentário:

Postar um comentário