quinta-feira, 25 de junho de 2015

Sétima

a vida que nunca tivemos
marcada por
violões em sétimos
acordes

à
arte estrondosa
ainda não nos
retiremos

uma
love song
de elton john
e.e. cummings
à espreita
canta

a vida que nunca tivemos
marcada por
violões em sétimos 
acordes

de que adianta

até as 3h lendo
e esperando o tempo
passar
o cansaço
chegar
o dia amanhecer
para então
nos preocuparmos
novamente

com o 
           ócio
com o  
           cio 

brutalidades sexuais
ao alcance do 
pensamento 
devoramos
a carne alheia
em uma palavra

mas não podemos dizê-la

porque
as pessoas ainda
temem
(des)amor

não há outra maneira
de economizar
palavras
linhas
traços
pontuação
por ora

agora
escrevo para 
e por
nós dois

[como se não bastasse
nem te conheço
mas sei que faz o
mesmo que eu

escrever um diário
eu - poesia
tu - não poemas

preocupado 
com a inovação
a tentação
e o próprio amor

estarei amando (?)

resistir aos impulsos
impulsionar a mente
escrever escrever escrever
até que nada tenha restado

palavras não
movem o mundo

somente o mundo
de cada um]

o que teus olhos 
me disseram
será segredo

depois que os meus
refletirem tuas palavras
depois que os teus
acordes em sétima
se resolverem

onde estarei (?)

espero que 
ao lado teu
esperando mais 
                         um
                               dia
à tua companhia

cantando o sonho meu
de ser tua poesia






Nenhum comentário:

Postar um comentário