domingo, 19 de julho de 2015

Motivação

Vaguei
por entre a multidão,
distante e indeciso,
enquanto sentimentos de retidão
e de Narciso
atravessavam a cabeça explodida
em amargura,
o peito ressentido
e de todo esquecido
de sua
paixão,
desolação
e fragilizada armadura,
carcaça esta que tanto guerreou,
tanto resistiu aos ataques da mente,
ao soar dos acordes em sétima,
ao iminente espanto
e espasmo de melancolia
que temos ao nos deparar
com o horror
da nada honrosa
morte.

Vaguei por aí,
e os rastros de sol se extinguiram
de meu ébrio
corpo
desapaixonado e desfalecido.
Injuriado,
abandonado e
lamacento, meu coração,
petrificado senão por
suas batidas,
abrigava-se na ruína
de seus blasfemos instantes de raiva.

Porém,
voei, enfim,
pelas aleias e vielas
de minhas soturnas carreiras
desencontradas.
Mas voei baixo e logo afundei
nas mágoas e tristezas
de minha mente deveras
desestabilizada.
Iminente o naufrágio,
arremeti aos infortúnios
e descaminhos
de teu corpo, querida,
mas morreste e me abandonaste
também.

Agora,
após tanto sofrer, solitário,
já não penso em nada
- exceto no ímpeto,
na vontade e nos impulsos
que hão de me encontrar contigo novamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário