sábado, 10 de outubro de 2015

Consegue ver?

Consegue ver? Ninguém se importa
com a agonia alheia e o sofrimento.
Compensam a dor com o tormento
que penetra a face triste e morta.
Acostumei-me à podridão que me rodeia,
ao descaso que me preenche e desola,
à solidão que me corrói e isola,
à melancolia na qual o tédio canta e incendeia.
Mas não somaram à alma formidável;
entristeceram minha altivez e destreza;
conseguiram me ter como miserável!
Porque, para quem conviveu com minha tristeza,
apesar do sorriso inseparável,
meu suicídio não será surpresa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário